Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Flavio Higuchi faz uma provocação sobre o destino do projeto de Le Corbusier para Chandigarh.

how to quote

HIRAO, Flávio Higuchi. Rígido caos. Drops, São Paulo, ano 14, n. 073.04, Vitruvius, out. 2013 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/14.073/4904>.


Vista aérea de Chandigarh [Google Earth]


Le Corbusier insistiu na diferença entre as mulas e os homens. O homem, diferentemente da mula, caminha em linha reta, tem um objetivo, sabe aonde vai.

Mas o arquiteto não imaginava que, dentro das linhas retas impecáveis de Chandigarh, surgiria uma favela de ruas tortas, enquadrada rigorosamente pela sua geometria cartesiana.

A favela de Chandigarh demonstra uma ausência estatal programada. Um Estado tão forte que controla sua própria ausência. Território reservado à humanidade excedente, o interior do quadrado marca o verdadeiro laissez-faire: deixe fazer.

A favela, conhecida como Burail Village, é o território de uma antiga vila, anterior à capital. Os moradores destas vilas chegaram a formar um movimento Anti Capital: a nova cidade seria construída sobre 58 vilas e afetaria 21 mil pessoas.  

Chandigarh deveria ser o símbolo da Índia livre do domínio inglês. Mas o projeto da cidade símbolo da independência começou a ser desenhada por outro império. Chamou-se o arquiteto norte-americano Albert Meyer, que atuara na II Guerra Mundial como Engenheiro Civil pelo Exército Norte-Americano.  

Após a desistência de Meyer, Le Corbusier assumiu o projeto.

Le Corbusier escreveu, em seu Urbanismo, que ”Um povo, uma sociedade, uma cidade insolentes, que se relaxam e se descontraem, são rapidamente dissipados, vencidos, absorvidos por um povo, por uma sociedade que agem e se dominam”.

Como explicar a favela de Chandigarh? Um povo insolente e relaxado como a mula que anda por linhas tortas? Ou exatamente o resultado daquela sociedade exaltada por Le Corbusier, que age e domina?

Le Corbusier pegou um projeto iniciado por um antigo militar norte-americano. Esse detalhe deveria ter sido suficiente para que ele previsse, no interior de sua cidade, a coexistência entre os vencidos e os vencedores. Erro de projeto.

Hoje, tudo está concertado, organizado pela mais rígida geometria. 

notas

NA1
O artigo foi originalmente publicado no blog Urbano Oblíquo

NA2
O título utiliza um termo emprestado, ironicamente, de Nova York Delirante. 

sobre o autor

Flávio Higuchi Hirao é arquiteto, graduado pela Unicamp e mestrando pela FAU-USP. Pesquisador da missão do IPEA na Venezuela e membro do coletivo Usina-CTAH.

 

comments

073.04 cidade
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

073

073.01 cinema

Fatos raros

Quando a ficção não é melhor que a realidade

Kykah Bernardes

073.02 evento

SAL Bogotá 2013

15º Seminario Latinoamericano

María Elvira Madriñán

073.03 história

BR-PT: Oswaldo Bratke e Carlos Botti em Portugal

Ricardo Rocha

073.05 direitos autorais

Os babacas

A desconstrução dos ídolos da música popular brasileira

Abilio Guerra

073.06 cinema

Os sentidos da ficção

João Masao Kamita

073.07 crítica

Acerca del oficio del escribidor de arquitectura

Humberto González Ortiz

073.08 patrimônio

O patrimônio (brasileiro) frente ao espelho do tempo

Ricardo Rocha

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided