Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Martins, professor do IAU USP São Carlos, comenta a discussão entre os presidentes de Brasil e França – Emmanuel Macron e Jair Bolsonaro – sobre as responsabilidades a respeito dos incêndios na Floresta Amazônica.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Muita fumaça e fogo também. Em terra de índio quem tem isqueiro é grileiro. Drops, São Paulo, ano 20, n. 143.09, Vitruvius, ago. 2019 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/20.143/7464>.


O recente surto de queimadas na Amazônia provocou muita fumaça. Tanto a fumaça real que escureceu o céu de São Paulo às três da tarde quanto fumaça comunicativa no debate que opôs, para satisfação dos dois, os presidentes da França e do Brasil.

De um lado, Emmanuel Macron, que anos atrás a plutocracia brasileira saudou como seu sonho de consumo: um liberal moderno e popular, uma espécie de Partido Novo (ou Luciano Huck) com capacidade de articulação e voto.

De outro, Jair Bolsonaro, que os mesmos donos do dinheiro decidiram avalizar como mal menor frente à possibilidade de nova vitória da esquerda, na esperança de que seu raivoso despreparo seria controlado pelos militares, por Paulo Guedes e por Moro.

A ação e o discurso de Bolsonaro frente às queimadas, às terras indígenas, à pressão sobre o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) – órgão de controle do desmatamento respeitado internacionalmente – ofereceu o discurso que Macron, em dificuldades internas frente à revolta dos chamados “coletes amarelos”, precisava para voltar a aparecer como líder moderno e internacional, ávido pelo apoio do forte movimento verde europeu.

Por sua vez, o afã de protagonismo de Macron, que chegou a sugerir um controle internacional sobre a Amazônia, ofereceu a Bolsonaro e aos generais de seu desgoverno o mote para tentar resgatar um nacionalismo dos trouxas, que se empolgam com argumentos de soberania nacional vindos de quem já avisou aos quatros ventos que “está tudo à venda”.

Mas quem, por dever de ofício, tem que pensar além da fumaça, alerta que existe fogo também. Cientistas e ONGs – ridiculamente acusadas de serem as culpadas pelos incêndios – indicam que as queimadas estão concentradas em terras públicas ou indígenas, num sinal claro de grilagem organizada.

E os principais representantes do agronegócio, de Katia Abreu a Blairo Maggi, maior produtor de soja do planeta, afirmam que a política do governo é suicida porque o risco de boicote internacional aos produtos brasileiros é concreto e muito forte.

Nessa rota, corremos o risco de queimar a floresta e o negócio.

sobre o autor

Carlos A. Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

Troncos (Amazônia)
Foto Frans Krajcberg [Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras]

 

comments

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided