Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Ferreira Martins, professor do IAU USP, comenta o recente manifesto assinado por banqueiros e economistas, propondo a necessidade de ações mais afirmativas contra o coronavírus e suas mazelas na saúde pública e na economia.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. O manifesto dos limpinhos. Por uma necroeconomia sem necropolítica. Drops, São Paulo, ano 21, n. 162.05, Vitruvius, mar. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.162/8050>.


Exposição “Coronaceno – reflexões em tempos de pandemia”, curadoria de Leonardo Menezes, Luiz Alberto Oliveira e Eduardo Carvalho. Museu do Amanhã, Rio de Janeiro, de 4 de março a 30 de maio de 2021
Foto Tomaz Silva [Agência Brasil]


Na última coluna eu dizia que prestamos muita atenção ao genocida e deixamos de lado os limpinhos que enriquecem com a necropolítica e a necroeconomia. Para me contrariar, a notícia da semana foi o manifesto dos banqueiros e “economistas”, pedindo que “o governo central” atue para deter o descalabro da pandemia.

Verdade que não foi a única. Saiu o general que confunde Amazonas com Amapá e entrou um cardiologista que inaugurou o mandato fazendo visita de cortesia ao InCor. O presidente da Câmara, brincando de juiz de futebol de várzea, mostrou o cartão amarelo e lembrou que existe o vermelho, embora ele não seja tonto de usar. E também tivemos sete senadores pedindo, na cara, a renuncia do cara que se orgulha de ter nos transformado em párias internacionais.

Na semana em que atingimos 300 mil brasileiros mortos; 3 mil por dia e subindo; colapso da rede hospitalar pública e privada e pré-colapso do sistema funerário, os bacanas da grana nacional publicaram um manifesto do qual, só à primeira vista, parece impossível discordar, mas que está absurdamente atrasado e é objetivamente inútil.

Para dizer o que lá está – deve haver vacinação em massa e um programa de distribuição de máscaras; é preciso um programa de renda emergencial e de apoio aos pequenos empresários e tem que haver coordenação nacional – os maiores banqueiros do país, os ex-presidentes de Banco Central e toda aquela elite de ternos caros e MBAs nas melhores universidades do planeta, precisaram de um ano?

Mais revelador, como quase sempre, é o que não está dito. Monica de Bolle, economista mas não rentista, insuspeita de petismo, põe o dedo nas feridas.

Nenhuma palavra sobre o valor ou a duração do auxílio emergencial quando a cesta básica custa, na média nacional, 600 reais. O auxilio emergencial será menos da metade disso? E quatro parcelas, se até a velhinha de Taubaté sabe que não sairemos da pandemia antes de 2022?

Nenhuma palavra sobre a manutenção do teto de gastos, principal instrumento de necroeconomia. Repete-se que estamos em guerra mas omite-se que, em tempo de guerra, falar em equilíbrio fiscal é lesa pátria.

Mais escandaloso ainda é o estrondoso silêncio sobre o SUS. Em plena catástrofe sanitária, com o país apontado internacionalmente como uma ameaça ao planeta, o Congresso acaba de aprovar uma dotação orçamentária para a Saúde igual ao período pré-pandemia. Não sei quantos pontos de exclamação dariam conta dessa aberração que “escapou” aos limpinhos.

O Valor Econômico, nestes dias, mostrou que “o mercado” está preocupado mesmo é em encontrar um “nome de centro” para 2022. Como não dá para acreditar que alguém vira bilionário por ingenuidade, só se pode concluir que o sonho dourado deles é uma necroeconomia sem necropolítica.

Os limpinhos gostariam que os cadáveres não aparecessem para sujar nossa imagem internacional e atrapalhar os dividendos. Só não descobriram, ainda, como fazê-lo.

sobre o autor

Carlos Ferreira Martins é Professor Titular do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP São Carlos, nunca fez MBA, mas já sabia de tudo isso. Também sabe que só tomou a primeira dose de vacina nesta semana porque o Butantã sobreviveu aos governos tucanos e a turma do mercado ainda não conseguiu destruir completamente o SUS.

 

comments

162.05 coronavírus
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

162

162.01 ensino e cidadania

O papel da escola é a formação integral do cidadão

Anísio Teixeira e a defesa do ensino público

Carlos A. Ferreira Martins

162.02 modo de vida

A entrada de serviço

Antonio Grillo

162.03 prêmio

Lacaton & Vassal: estrategias para o real

Pritzker Prize 2021

Fredy Massad

162.04 homenagem

Prêmio Leão de Ouro para Lina Bo Bardi

Núcleo Docomomo São Paulo

162.06 homenagem

Flávio Villaça (1929-2021)

João Sette Whitaker

162.07 homenagem

Flávio Villaça, uma vida intensa que se encerra

Carta ao editor

Denise Mendonça Teixeira

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided