Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

how to quote

PORTAL VITRUVIUS. Centro de Referência em Empreendedorismo do Sebrae-MG. Concurso Público para Contratação de Projeto de Arquitetura. Projetos, São Paulo, ano 08, n. 096.01, Vitruvius, dez. 2008 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/08.096/2934>.


Diretrizes

A um primeiro olhar o projeto para a extensão do SEBRAE MG nos traz o desafio de adequar uma nova arquitetura num território com ocupação imprecisa, solicitando da nova construção um acerto de contas entre os lotes de geometrias distintas, a imbricada condição urbana e as construções que pretende harmonizar. Podemos definir as principais condicionantes para o projeto como sendo:

1. A utilização das frontalidades existentes nos lotes para a vinculação do conjunto construído às duas ruas.

2. A ocupação extensiva da área com o embasamento do edifício, para a conter o grande programa de uso público.

3. A definição de um volume único sobre o embasamento, reforçando a sugestão do edital na ênfase da horizontalidade.

Implantação

O projeto ocupou a quase totalidade das frentes para as ruas, completando o conjunto existente como uma nova quadra edificada. Na frente para a avenida Barão Homem de Melo, acesso principal ao edifício, locamos o volume do embasamento, definido pelas áreas de uso público: recepção/exposição e salão multiuso. O volume laminar superior, que concentra as atividades privativas, encaixa-se no limite disponível dos recuos obrigatórios. Com três pavimentos sobre a base, reforça o caráter de uma horizontalidade harmonizadora entre construções e terreno e marca uma forte presença institucional pela extensão da fachada.

Programa

A organização do programa priorizou o cuidado com o intercambio ou independência entre as atividades, conforme a necessidade funcional. Deste modo separa desde o acesso as circulações verticais entre pública ou privativa, preservando a integridade de cada uma, assim como dos ambientes.

O embasamento: o piso térreo, de acesso, contém o grande estoque de áreas abertas, onde situa-se o salão multiuso e recepção. A este espaço integra-se o mezanino, com a área de exposição. O salão multiuso pode assumir varias configurações: fechado com as 12 salas; aberto com palco em condição de ser visto também do mezanino, integrado totalmente à área de recepção; ou definindo cinco auditórios de tamanho variáveis, sendo o maior para 498 lugares.

O edificio laminar: concentra as demais atividades e está setorizado horizontalmente para manter a total privacidade dos ambientes administrativos. Os dois cores de circulação vertical têm acesso controlado aos diversos pavimentos, abrindo-se ao público nas atividades a visitantes, ou com controle magnético nos demais setores. A estrutura periférica e os cores nas extremidades, possibilitam o máximo de flexibilidade nas plantas.

Os subsolos: compostos por três pavimentos destinam-se aos estacionamentos. O primeiro nível recebe também a área técnica. Respondemos à complexa geometria e a grande demanda por vagas, com uma solução que explora meios níveis e acesso pelo subsolo já existente, reduzindo ao limite a área de rampas. Certamente tal solução considera o ajuste de níveis entre o volume novo e o antigo, além da adequação de uso do subsolo existente.

Sistema estrutural

O conjunto é concebido em estrutura de concreto armado com modulações distintas para o volume do embasamento e o edifício laminar. Neste edifício a estrutura é composta de pilares periféricos, modulados a cada 8,75m, com balanço na laje entre os dois cores. A laje, em grelha, foi calculada para uma secção de 0,60m. Esta configuração flexibiliza o piso em toda sua extensão. O embasamento, ao qual incorpora-se o mezanino, também terá apoio periférico, garantindo ao máximo a liberação do salão de atividades. A cobertura também em grelha será parcialmente invertida para a composição do jardim elevado.

Conforto, eficiência e instalações prediais

As soluções de conforto ambiental e racionalização das instalações prediais refletem-se nas próprias decisões da arquitetura:

  • altura de 4,00 metros piso a piso: favorecendo a rede de instalações sobre forro.
  • sistema de brise soleil nas fachadas, controlando a exposição solar e a luminosidade.
  • sistema de ventilação cruzada na totalidade do edificio, pela possibilidade de abertura dos caixilhos. Os pisos inferiores também receberão ventilação natural, através de fossos nas áreas sob solo.
  • sistema de reuso de águas pluviais, para limpeza e irrigação, através da implantação de cisternas no subsolo junto ao reservatório inferior.
  • racionalização dos sistemas de infra-estrutura predial, com caminhamentos em poços de inspeção (shafts).

Acessos e fluxos

Acessos: o acesso de automóveis se dá pela entrada existente, facilitando o controle único, onde propomos a conexão entre o subsolo existente e o proposto. O acesso pedestre está no saguão de recepção. Propomos um acesso de serviço para a rua Botorubi.

Fluxos: o argumento fundamental para os fluxos internos é a independência e controle dos acessos públicos e privativos. Os dois cores de circulação vertical atendem a todos os ambientes, mas o da extremidade direita é exclusivo de uso privativo. O core central, de uso público, também tem acesso aos ambientes administrativos, acessáveis apenas por sistema de controle.

ficha técnica

Arquitetura: Arquiteto Francisco Spadoni

Co-autores: Arquitetos Lauresto Couto Esher e Tiago de Oliveira Andrade

Equipe técnica: Arquitetos Mayra Simone dos Santos, André Procópio e Ricardo Canton; estagiárias Carolina Mina Fukumoto, Fabiana Jaqueta Benine e Sabrina Chibani

Maquete: FredCarol Maquetaria

Paisagismo: Arquitetos Francisco Spadoni e Vladimir Bartalini

Projeto estrutural: Engenheiro Fábio Takahiro Oyamada

Fundações: Engenheiro Eduardo José Portella da Costa

Instalações prediais: MBM Engenharia

Ar condicionado: Unitempo Engenharia

Orçamento: Engenheiro Miguel Angelo D'Amore

source
Arquiteto Francisco Spadoni
São Paulo SP Brasil

comments

096.01 Concurso
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

096

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided