Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

projects ISSN 2595-4245


abstracts

português
Haroldo Pinheiro comenta o recém concluído projeto da Fundação Darcy Ribeiro (Beijódromo),inaugurado em 2010, na Universidade de Brasília pelo Instituto Brasileiro de Tecnologia do Habitat, liderado pelo arquiteto João Filgueiras Lima (Lelé)

how to quote

PINHEIRO VILLAR DE QUEIROZ, Haroldo. Beijódromo. Fundação Darcy Ribeiro. Projetos, São Paulo, ano 12, n. 133.07, Vitruvius, fev. 2012 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/projetos/12.133/4186>.


“Pode-se, assim, definir Arquitetura como construção concebida com uma determinada intenção plástica, em função de uma determinada época, de um determinado meio, de um determinado material, de uma determinada técnica e de um determinado programa”.
Lúcio Costa

Tantos arquitetos ilustres, por séculos e até hoje, insistiram em definir Arquitetura como “arte de construir”. Há quem discorde. Mas observo essa construção, pousada suavemente no campus da Universidade de Brasília, que parece estar ali com a missão de firmar e enfatizar a síntese anotada em epígrafe, retirada das “Considerações sobre o Ensino de Arquitetura”, de Lucio Costa em 1945.

Assim como o Doutor Lucio não buscou na figura de um avião a inspiração para resolver a organização espacial da capital do País, certamente o Lelé também não foi buscar num “disco voador” ou numa “mistura de maloca dos xavantes com a dos kamayurás” a solução para o abrigo da Fundação Darcy Ribeiro – embora o comentário bem humorado presente no primeiro parágrafo da carta ao amigo, a guisa de apresentação do anteprojeto, e a similaridade estrutural que permite remeter àquelas habitações indígenas.

Observa-se na arquitetura de Lelé, particularmente na Fundação Darcy Ribeiro, a presença da lógica – reiterada na implantação do edifício, na escolha das técnicas construtivas, na solução estudada para o mais singular detalhe da obra. Maneja as alternativas oferecidas pela tecnologia contemporânea e as utiliza conscientemente em favor da preservação dos recursos oferecidos pela natureza, cuidadosamente adequadas à circunstância social em que se situa. Exerce o seu ofício: faz e ensina Arquitetura. 

Temos hoje, no Campus da UnB, duas pontas da história de um Mestre Arquiteto: dos primeiros e férteis anos da década dos 1960: a Colina, os edifícios de Serviços Gerais e o Instituto Central de Ciências (com Oscar Niemeyer, ainda inconcluso); e, deste futurístico e esperançoso ano de 2010, a Fundação Darcy Ribeiro.

Cinqüenta anos depois, a coerente evolução da construção planejada: desde as estruturas e vedações de concreto armado pré-fabricadas em canteiro daqueles primeiros tempos do CEPLAN/UnB, até os sofisticados elementos industrializados de aço e argamassa armada de agora, realizados pelo Instituto Brasileiro de Tecnologia do Habitat.

O Instituto Habitat, organização social de interesse público, floresceu de experiências anteriores fortemente realizadoras lideradas por Lelé – tais como o próprio CEPLAN/UnB, a Ação no Município de Abadiânia (GO), a Empresa de Renovação Urbana de Salvador (Renurb, BA), a Fábrica de Escolas (RJ), a Fábrica de Equipamentos Comunitários (FAEC, BA) e o Centro de Tecnologia da Rede SaraH (CTRS, BA). O Instituto, como seus antecessores, objetiva a realização da Arquitetura no sentido amplo, como definido acima, e a transmissão do conhecimento através da pesquisa e execução de projetos e obras.

Essas diversas experiências de industrialização de edifícios e outros equipamentos urbanos comprovaram a evidência: o projeto não é a meta e não se extingue antes da conclusão da obra. É o instrumento, sempre passível de aperfeiçoamento: o veículo para atingir o objeto construído e útil, através do qual cada parte é planejada criteriosamente e o conjunto de partes interage de modo harmônico, obedecendo à partitura idealizada e considerando os condicionantes da edificação em seu contexto geral.

A sede da Fundação foi idealizada pelo próprio Darcy Ribeiro em 1996, quando solicitou ao Arquiteto que inventasse uma “casa digna” para guardar seus livros e lembranças. No Campus que leva seu nome, na Universidade que criou, encontrouse finalmente o local apropriado para sua memória.

Em julho de 2010, superadas as etapas preliminares de preparo do terreno, a equipe do Instituto Habitat, liderada pela Arquiteta Adriana Rabello Filgueiras Lima, iniciou a construção. Ao final de novembro, é entregue a obra.

No pavimento térreo, elegante e esbelta marquise define o acesso principal. Depois, recepção, área para exposição, cafeteria, três salas de aulas para 35 lugares (duas delas com possibilidade de integração), salas de administração e apoio. Duas linhas de pilares dispostos em circunferência suportam vigas radiais e laje de teto com 34 metros de diâmetro e vazio central de 13 metros para jardim “com árvores e beijaflores”, como planejado no anteprojeto. Beiral e brise-soleil metálico externo preservam as salas da insolação excessiva.

Ao fundo, com acesso independente para público, o “Beijódromo” com 200 lugares: local de encontro dos estudantes para atividades lúdicas, acadêmicas e políticas.

No pavimento superior distribuem-se, em vão livre com 37 metros de diâmetro, recepção, acervo, biblioteca, ambiente de estar e leitura, gabinetes de pesquisa, áreas de apoio e ampla área para exposição. O jardim central integra os dois pavimentos com pé-direito total de 13 metros!

As vigas da cobertura do pavimento superior nascem nas extremidades dos balanços externos das vigas radiais e se desenvolvem com seção variável e desenho suave, unindo-se no anel de compressão interno.

A vedação da estrutura de cobertura é composta por telhas metálicas calandradas, alvas para reflexão do calor. Internamente, o teto forrado em chapa plissada evita a reverberação do som. O jardim é iluminado através do trecho central coberto com policarbonato translúcido. Aletas metálicas verticais disciplinam a iluminação. A clarabóia é arrematada internamente pela grelha do capitel, onde um exaustor embutido extrai o ar, que penetra pelas aberturas das esquadrias externas do térreo e dos fechamentos vazados no piso circundante do pavimento superior, já refrescado e umidificado pela lâmina d’água que circunda o edifício.

Conectando os pavimentos, um primoroso e transparente elevador hidráulico – também projetado e realizado pelo Instituto Habitat, assim como boa parte do mobiliário.

Projeto e obra terminam juntos. No percurso entre a idéia e a realização, mudança de estratégia para a execução, quando a estrutura de concreto armado prevista originalmente para o teto do pavimento térreo foi substituída pela estrutura metálica, objetivando agilizar a obra e evitar serviços a descoberto no período chuvoso de Brasília. O Programa também evoluiu, com a inclusão da cobertura e dos fechamentos laterais do “Beijódromo”, mais mudanças na ocupação do pavimento térreo e conseqüente remanejamento na circulação vertical.

As alterações ocorridas ao longo da realização da obra apenas demonstraram a flexibilidade hoje exigida de qualquer edificação, para adequação a novos e variados programas. Os novos elementos são como acessórios, que se agregam e enriquecem a construção. Sempre de modo ordenado e planejado. 

Em números, registramos: cinco meses para detalhamento, fabricação e montagem do edifício; 2.544m² de área coberta, mais 1.030m² do lago circundante; 5,5 milhões de reais gastos com a construção e todo o mobiliário do edifício.

Doutor Lucio, autor do Plano Urbanístico da UnB, e Doutor Lelé, responsável em 1960 pelo desenvolvimento daquele Plano e autor do mais novo edifício do Campus em 2010, se reencontram muitas vezes: no rigor ao pensar e realizar Arquitetura, na inquietação pela aplicação do mais apurado e contemporâneo conhecimento humano na solução dos desafios propostos para a profissão.

O primeiro, já na década dos 1940, em suas “Considerações sobre Arte Contemporânea”, concluía afirmando que seria apenas a “Industrialização capaz de transferir o imemorial anseio de justiça social do plano utópico para o plano das realidades inelutáveis.” O segundo, comprova que a utopia é possível – e a exemplifica em tantas realizações, como agora, nesse memorial dedicado ao mais utópico dos brasileiros.

Concluído este modesto comentário – no qual, para iniciar, socorri-me na sabedoria de Lucio Costa –, relembro e compreendo melhor a resposta que ele próprio me deu (e mantenho, com enorme carinho e respeito, em fita gravada), quando lhe perguntei a opinião sobre a intenção da Universidade de Brasília conceder ao Professor Lelé o título de Doutor Honoris Sapiens, ainda na década dos 1990: “O Lelé é o arquiteto que eu gostaria de ter sido... 

sobre o autor

Haroldo Pinheiro é arquiteto (FAU/UnB, 1980), Presidente do CAU Brasil, Vice-Presidente do Conselho Internacional dos Arquitetos de Língua Portuguesa (2007/11). Membro Vitalício do Conselho Superior do IAB e Titular do Conselho das Cidades / Ministério das Cidades (2005/08, 2008/11), Conselheiro da União Internacional dos Arquitetos (2002/05). Presidente Nacional do IAB (2000/02, 2002/04). Sócio Fundador e Diretor Técnico do Instituto Habitat (desde 2006).

comments

133.07 construção
abstracts
how to quote

languages

original: português

source

share

133

133.01 habitação unifamiliar

Casa 14 Bis

133.02 design and architecture

The Cabins

Flávio Coddou

133.03 cultural building

Zhang Da Qian Museum

133.04

Tour Bois le Prêtre

133.05

Arena Pantanal

133.06 habitação unifamiliar

Casa no Figueiral

133.08 crítica

Maracanã: destruir ou preservar

Claudia Girão

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided