Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Sonia Marques fala dos limites entre realidade e ficção a partir do filme Maria Antonieta, escrito e dirigido por Sofia Coppola, no qual a diretora parece ter feito dos vários anacronismos um recurso estético

english
Sonia Marques talks about the boundaries between reality and fiction from the film Marie Antoinette, written and directed by Sofia Coppola, in which the director seems to have transformed the several anachronisms into an aesthetic appeal

español
Sonia Marques habla de los límites entre la realidad y la ficción a partir de la película María Antonieta, escrita y dirigida por Sofía Coppola, en la cual la directora parece haber hecho de los distintos anacronismos un recurso estético

how to quote

MARQUES, Sonia. Quando a rainha vai à opera. Ou de como na tela ou no papel, tudo cabe. Drops, São Paulo, ano 07, n. 017.08, Vitruvius, dez. 2006 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/07.017/1708>.


Elenco do filme Maria Antonieta na escadaria do Ópera Garnier [www.comingsoon.net]


O filme Maria Antonieta, escrito e dirigido por Sofia Coppola e estrelado por Kirsten Dunst, no papel da rainha, atualmente em cartaz em diversos países, além do Brasil e dos Estados Unidos, teve, neste último, uma acolhida pouco generosa da parte da crítica especializada. Uma delas assinalou que, visando fazer um filme leve, que mostrasse a superficialidade de Maria Antonieta, a diretora findou por oferecer um filme que é, ele mesmo, superficial. Não sei se endossaria esta perspectiva.

De qualquer forma, seguindo o raciocínio de que ao sapateiro só cabe falar do sapato, ouso apenas aqui registrar uma curiosidade que o filme me suscitou do ponto de vista da História da Arquitetura. Segundo o website Wikipedia, que acabo de consultar, o filme é vagamente baseado num livro escrito entre 2001-2002 por Lady Antonia Fraser, escritora inglesa casada com Harold Pinter, prêmio Nobel da Literatura. Não tive acesso à obra de Lady Fraser e, portanto, não sei se nela Maria Antonieta ia ao Opera de Paris, como a conduz Coppola, no filme em questão, quando, num dos muitos momentos de tédio em Versailles, a infeliz rainha foge para um bal masqué.

É possível que Maria Antonieta tenha realmente ido a bailes de máscaras na capital francesa, entre um ou outro momento de abuso entre o Palácio, o Petit Trianon e a sua choupana, onde brincava de camponesa. Maria Antonieta poderia também ter ido a óperas e Mozart, citado numa brincadeira da corte, num dos momentos do filme era certamente seu conhecido. Inclusive, sabe-se que Luis XVI, após haver lido o manuscrito de O Casamento de Figaro, julgando que se tratasse de uma crítica ao Ancien Régime comentou que era detestável e que nunca iria aos palcos, mas, findou por liberar. O que, no entanto, me causou estranheza foi a impressão de que a cena do baile havia sido rodada no foyer do Ópera de Paris de Charles Garnier, com suas belíssimas escadarias ecléticas, o que parecem confirmar as informações do website oficial do filme sobre os locais de filmagem.

O fato é que, morta em 1793, Maria Antonieta nunca poderia ter ido ao Opera de Charles Garnier, que dataria de 1857, segundo o website Wikipedia ou de 1860, segundo Leonardo Benévolo. Assegurando o direito de recriação do artista, Matisse (se minha memória não me trai) teria dito, ao ser criticado por pintar de verde a cara de uma mulher, que aquilo não era uma mulher, mas, uma pintura. Ou seja, arte é criação, sem compromisso com a realidade e, assim sendo, Sofia Coppola pode levar a sua rainha ao futuro, ao passado ou alhures. E, de fato, a diretora parece ter feito dos vários anacronismos um recurso estético, mais evidente no caso da música. Mas, a mediocridade do fazer docente tem que se ater ao princípio de realidade, diferentemente da narrativa ficcional, nem tudo cabe no papel.

notas

[publicação: abril 2007]

Sonia Marques, Recife PE Brasil

Cartaz do filme de Sofia Coppola

Foyer do Ópera Garnier, Paris [www.parissnapshot.com]

Sofia Coppola durante a filmagem do baile de máscaras [www.comingsoon.net]

 

comments

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided