Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Nesta entrevista, Júlio Abe Wakahara fala sobre sua relação com a fotografia, entre 1967 e 1973, quando desenvolveu trabalhos para a Superintendência do Iphan em São Paulo.

english
In this interview, Júlio Abe Wakahara talks about his relationship with photography, between 1967 and 1973, when he developed works for the Superintendency of Iphan in São Paulo.

español
En esta entrevista, Júlio Abe Wakahara habla de su relación con la fotografía, entre 1967 y 1973, cuando desarrolló trabajos para la Superintendencia del Iphan en São Paulo.

how to quote

COSTA, Eduardo Augusto. Júlio Abe e a fase de fotógrafo. Entrevista, São Paulo, ano 22, n. 086.03, Vitruvius, maio 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/22.086/8090>.


Júlio Abe na sede do Iphan, São Paulo
Foto Victor Hugo Mori

Eu conhecia pouco da trajetória do arquiteto, artista visual, museólogo, designer e fotógrafo, Júlio Abe Wakahara, quando o entrevistei em seu estúdio na Rua Antônia de Queiroz, no dia 02 de maio de 2011. Estava no segundo ano do meu doutoramento (1) e, naquela altura, já havia finalizado uma série de sete entrevistas com fotógrafos e arquitetos do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – Iphan (2). Entrevistar Wakahara era etapa fundamental para entender as dinâmicas ligadas ao fotográfico deste instituto e mais especificamente as da sua superintendência em São Paulo.

Esta entrevista versa, portanto, sobre a temática da fotografia e seu lugar no Iphan, reconhecendo práticas, procedimentos e formulações, que são constitutivas do entendimento que temos de patrimônio cultural no Brasil. Não se trata, apenas de uma leitura histórica dos usos da fotografia, mas de identificar que tal recurso foi e é parte constitutiva do que se formulou como patrimônio brasileiro. E esta compreensão fica evidente nas reflexões de Wakahara, que pondera sobre o valor da fotografia como instrumento de informação e significação. Como Wakahara mesmo diz ao longo da entrevista, ele era um “grande especialista em significados, tanto de palavra, como de objeto”.

Vale alertar também que a entrevista apresenta um período pouco conhecido como também diminuto de sua trajetória. Mas não menos importante. Aqui, debate-se sua passagem pela superintendência do Iphan em São Paulo, entre os anos de 1967 e 1973, quando ainda era professor no cursinho preparatório para a FAU USP, pegando seus primeiros anos como professor desta faculdade, mas ainda muito distante de formular o projeto Museu de Rua, que marcaria a sua vida profissional. De todo modo, este período inicial foi formador e constitutivo de suas práticas e formulações. De papel e lápis em punho, Júlio Abe Wakahara concedeu esta entrevista desenhando. A cada reflexão e explicação elaborava um croqui, demonstrando que a visualidade ocupava um lugar central na sua prática profissional.

Relendo a entrevista, quase dez anos depois, percebo meus vícios de entrevistador, como também os interesses de pesquisa que me mobilizavam naquele momento. Mas percebo, em especial, que ainda temos muito a aprender sobre e com a trajetória profissional de Júlio Abe Wakahara. Uma trajetória que é parte do nosso patrimônio cultural. É esta a evidência maior que se enlaça às entrelinhas desta entrevista.

Ainda que diminuta e centrada na “fase de fotógrafo” fica aqui a minha contribuição para a memória de Júlio Abe Wakahara, falecido em 21 de novembro de 2020, aos 79 anos de idade.

notas

1
Doutoramento que resultou na publicação do livro: COSTA, Eduardo. Arquivo, poder, memória: Herman Hugo Graeser e o Iphan. São Paulo, Alameda, 2018.

2
Resultado do XI Prêmio Funarte Marc Ferrez, que recebi no ano de 2010. A entrevista com Júlio Abe Wakahara foi a sétima de um total de 27.

comments

086.03
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

086

086.01

Kleber Mendonça Filho, o arquivador de emoções

Abilio Guerra, Caio Guerra, Magaly Corgosinho, Maeve Jinkings and Roberto Gervitz

086.02

Encontro com Decio Tozzi

Heloisa Mendes Pereira

086.04

A arquitetura como insurgência

José Barbedo

086.05

Questões de espaço, educação e inovação

Haniel Israel

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided