Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

interview ISSN 2175-6708

abstracts

português
Entrevista de Helio Herbst com Guimar Morelo, que participou da montagem da I Bienal do Museu de Arte Moderna de São Paulo, encerrando sua carreira como chefe de montagem da Fundação Bienal de São Paulo.

how to quote

HERBST, Helio. A montagem das primeiras bienais: improviso e superação. Lembranças de Guimar Morelo. Entrevista, São Paulo, ano 22, n. 088.02, Vitruvius, nov. 2021 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/entrevista/22.088/8324>.


Panorama do Trianon, c.1940
Foto Postal Colombo S., n. 100 [Wikimedia Commons]

Helio Herbst: Havia duas equipes de projeto. Uma voltada para o pavilhão, liderada por Luís Saia e Eduardo Kneese de Mello. A outra para os interiores, liderada por Jacob Ruchti. Como era o relacionamento entre estas duas equipes? Havia reuniões de acompanhamento? Os projetos foram realizados simultaneamente?

Guimar Morelo: O Ciccillo convidou o Eduardo Kneese de Mello, o Luís Saia e o Jacob Ruchti. Tinha um outro, o Miguel Forte, que não está escrito no seu roteiro. Você [me] pergunta como era o convívio, não havia nenhum convívio. O Eduardo Kneese de Mello e o Luís Saia bolaram este caixotão. A prefeitura cedeu [o uso do espaço] para a Bienal na condição de que [o Trianon] seria recomposto, que não seria demolido nada, eles não queriam demolir absolutamente nada. Tanto que depois que encerrou a Bienal eles tiraram o caixotão e [a esplanada] ficou exatamente [igual]. Depois [o Trianon] foi demolido quando a prefeitura resolveu doar e a Lina Bo Bardi fez o Masp. Então, o Jacob Ruchti e o Miguel Forte cuidaram da parte interna da Bienal, da distribuição dos painéis, de fazer as salas. O Eduardo Kneese de Mello e o Luís Saia fizeram a parte externa.

HH: Quer dizer, quando fizeram o projeto eles não sabiam ainda exatamente quantas obram iam ser expostas.

GM: Ninguém sabia, eles não tinham absolutamente [nenhuma informação] na época. Acho que eles contrataram alguns profissionais e contrataram Deus, porque deu tudo certo, tão certo que é até... Você fala com o Aldemir Martins, que [também] participou, ninguém sabia. O Museu de Arte Moderna era frequentado pelo Aldemir Martins, Marcelo Grassmann, Carmélio Cruz, Krajcberg, e eu era funcionário. Ele fez uma reunião e convidou esse pessoal, eu como funcionário estava participando. Ele queria saber quem topava fazer a Bienal. Então um olhava pro outro e falava: o que é uma Bienal? Como vai ser a Bienal? Nos moldes da Bienal de Veneza? Quando e como vai ser? Ninguém sabia nada, absolutamente nada, não existiam dados. Ele só chamou o Luís Saia e o Eduardo Kneese de Mello e mandou fazer um espaço. Até hoje é meio complicado [fazer] a Bienal, você deve saber...

HH: Eu já fui monitor [XX Bienal, 1989]... [risos]

GM: Você é formado em Arquitetura, você já foi monitor... Na última hora, tem casos em que você fica pensando: tem que ser gente louca para fazer uma Bienal!

HH: O arquiteto Eduardo Kneese de Mello viajou para o exterior durante a montagem do Pavilhão. Luís Saia se encarregou do acompanhamento?

GM: Eu não sabia que o Eduardo Kneese de Mello havia viajado na época. Ele já tinha feito o projeto; consta no catálogo da primeira Bienal que o projeto é dele e do Luís Saia, mas quem acompanhou a construção foi o Luís Saia.

HH: Foram feitas modificações de última hora nos projetos? Surgiram imprevistos inesperados?

GM: Modificações de última hora você diz no edifício ou na montagem?

HH: Em ambos.

GM: No edifício não houve modificações, estava previsto que as divisórias das salas seriam feitas após a construção do pavilhão, deste barracão, deste caixotão...

HH: Como era o relacionamento entre as duas equipes? Havia reuniões de acompanhamento? Os projetos de arquitetura e expografia foram realizados simultaneamente?

GM: Bom, não existia relacionamento entre as duas equipes. Não havia choque, mas também não havia uma grande união. Cada uma trabalhava independentemente. Reuniões de acompanhamento não existiam. O encarregado da montagem geral, que tinha tudo na cabeça, era o Arturo Profili. O diretor artístico da primeira Bienal foi o Lourival Gomes Machado, mas o diretor executivo, responsável pela montagem, era o Profili. O Profili coordenou esses cinco auxiliares diretos. Cada um deles tinha seis, sete funcionários para trabalhar na montagem, que foi na base do vapt-vupt. Quer dizer, martelo, prego, arame, nada de especial.

Artigo “Inaugura-se hoje a I Bienal do Museu de Arte Moderna”
Folha da Manhã, São Paulo, 20 out. 1951, p. 1 [Acervo Folha]

comments

088.02
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

088

088.01

Dez anos sem Fábio Penteado

Ivo Renato Giroto

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided