Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

drops ISSN 2175-6716

abstracts

português
Carlos Ferreira Martins, professor titular do IAU USP São Carlos, em seu último texto do ano, comenta as preocupações com a morte que assolam a sociedade contemporânea.

how to quote

MARTINS, Carlos A. Ferreira. Desejos interditos. Drops, São Paulo, ano 21, n. 159.07, Vitruvius, dez. 2020 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/drops/21.159/7990>.


Pieter Bruegel, O triunfo da morte (detalhe), c.1562
Imagem divulgação [Wikimedia Commons]


A última coluna do ano deveria, pelas leis não escritas da imprensa, ser dedicada ao balanço das melhores e piores coisas do ano que finda. Ou às chamadas previsões que, na verdade, são meros desejos projetados para o ano que se inicia, supostamente trazendo algum tipo de renovação.

Mas 2020 foi um ano em entredito, um ano entre parêntesis, em que a humanidade – ou ao menos uma parte dela – conviveu cotidianamente com o medo da morte.

Não a morte violenta nas mãos do ex-marido que não aceita ser abandonado. Nem a morte perdida que ceifa vidas infantis que brincavam à frente de suas casas pobres. Nem a morte de pretos nas mãos profissionais dos capangas de supermercados sarcasticamente chamados de “seguranças”.

Tivemos todos – mesmo os que acham que não sentem – medo de uma outra morte. Invisível, silenciosa, insidiosa, cheia de artimanhas e disfarces. Que ora só atacava os pulmões e depois o corpo inteiro. Que tinha uma predileção pelos fracos e idosos, assim como a Morte de sempre, mas mostrou não desprezar atletas nem crianças.

Insidiosa mas eficiente, já levou mais norte-americanos que a Segunda Guerra Mundial e mais brasileiros do que a Guerra do Paraguai. Aquela de que nos contam na escola sem ensinar que lá também já morreram mais pretos e pobres do que os outros, os brasileiros que valem a pena.

Morte que gera a cizânia, que nos impõe a falsa escolha entre a vida e a economia, entre a saúde e abraço dos familiares, entre a escola e as UTIs. Morte de que preferimos não falar, fórmula certa para a transformar em trauma a atormentar gerações inteiras.

Morte adulada por seus adoradores, por aqueles que fazem fotos de casamento com armas automáticas, pelos que incitam a derrubar a tiros os que usam as vacinas como arma política. A mesma morte usada como insígnia na jaqueta dos generais que não dispensam um segundo soldo.

Morte enganadora, morte traiçoeira que nos leva a desejar que ela fosse justa e levasse seus principais promotores, e com isso quase nos faz esquecer que eles são abomináveis mas são meros serviçais.

Que a calculada tosquice e a abjeta grosseria se beneficiam da corrupção miliciana, mas estão a serviço dos interesses dos bem cheirosos, dos elegantes, que falam inglês e francês e doam milhões de euros para causas beneficentes, bem longe dos pretos e pobres e dos seus assassinos.

Dada a interdição ao desejar, que 2021 traga o que cada um merecer.

sobre o autor

Carlos Ferreira Martins é professor titular do IAU USP São Carlos.

 

comments

159.07 sociedade
abstracts
how to quote

languages

original: português

share

159

159.01 representação

Um coletivo para mudar o CAU

Catherine Otondo and Nadia Somekh

159.02 enchente

Prevenir ainda é melhor do que remediar

Como mitigar os das enchentes em São Carlos

Carlos A. Ferreira Martins

159.03 homenagem

O maestro na Amazônia

Marcos Cereto

159.04 homenagem

Ao som de uma gaita: Severiano Mario Porto

Ruth Verde Zein

159.05 política

Armas, livros, séries e a guerra das vacinas

Mais um episódio da Brasilflix

Carlos A. Ferreira Martins

159.06 política

Nem todo o Brasil quer desaparecer

Primeiras reações ao projeto de terra arrasada

Carlos A. Ferreira Martins

159.08 homenagem

Monte Carasso de Luigi Snozzi

Angelo Bucci

159.09 sociedade

Adeus 2021

Claudia Stinco

newspaper


© 2000–2021 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided