Your browser is out-of-date.

In order to have a more interesting navigation, we suggest upgrading your browser, clicking in one of the following links.
All browsers are free and easy to install.

 
  • in vitruvius
    • in magazines
    • in journal
  • \/
  •  

research

magazines

architexts ISSN 1809-6298


abstracts

português
Após quase cinquenta anos de uso, a Nova Galeria Nacional de Berlim recebe renovação dos elementos estruturais, espaciais e morfológicos que há muito tempo haviam desaparecido, sido esquecidos ou destruídos.

english
After almost fifty years of use, the New National Gallery in Berlin receives renovation of structural, spatial and morphological elements that had long disappeared, been forgotten or destroyed.

español
Después de casi cincuenta años de uso, la Nueva Galería Nacional de Berlín recibe una renovación de elementos estructurales, espaciales y morfológicos que hacía mucho tiempo habían desaparecido, habían sido olvidados o destruidos.


how to quote

BRENDLE, Klaus. Técnicas de construção moderna e monumentos históricos. Conservação, reparação, reintegração, restauração, reconstrução e nova construção na preservação da Nova Galeria Nacional de Mies van der Rohe de 2021 em Berlim. Arquitextos, São Paulo, ano 22, n. 261.01, Vitruvius, fev. 2022 <https://vitruvius.com.br/revistas/read/arquitextos/22.261/8413>.

Quase tudo é novo na renovada Neue Nationalgalerie de Mies van der Rohe em Berlim. Não é apenas a velha arquitetura modernista de 1968 que para nós ainda parece brilhar como nova depois de quase cinquenta anos — como um ícone vivo do Modernismo — mas também as obras de Arte para as quais a galeria foi construída. Desde 2015 quando foi iniciada a renovação geral do edifício, elementos estruturais, espaciais e morfológicos que há muito tempo haviam desaparecido, sido esquecidos e/ou destruídos ao longo de sua trajetória foram transformados em novos de novo. Objetos, superfícies, mobiliários e materiais foram restaurados. Isso também incluiu a modernização e a renovação das tecnologias de construção que tornaram possível a realização deste edifício modernista. Alguns elementos completamente novos também foram inseridos de acordo com o projeto de renovação até a entrega em abril de 2021 (1). Novos objetos foram desenvolvidos neste processo para que alguns elementos antigos da Neue Nationalgalerie funcionassem melhor ou pudessem ser preservados em seu estado atual. Seu status como monumento do Modernismo radical é, portanto, mais compreensível e pode ser vivenciado (2) autenticamente (3). O velho foi preservado e novos elementos foram projetados e instalados para atender aos requisitos atuais de uso, como novos padrões de exibição, melhor instalação da infraestrutura do edifício e outras melhorias e atualizações necessárias.

Novo?: As facetas do significado deste adjetivo são variadas e de longo alcance. Será que novo significa ‘de origem recente / [ser] diferente de antes, [ou será que significa] não ainda usado / não desgastado’? (4) Quando se renova um edifício histórico — especialmente um Modernista — é inevitável deparar-se com tais questões de classificação do tempo. A resposta é baseada em uma ‘investigação’ analítica da construção que leva a um processo de decisão sobre o ‘valor’ do edifício e seus componentes:

  • O edifício é “autêntico”, “reconstruído” ou tem adições posteriores?
  • É uma “intervenção” posterior, uma adição necessária no curso da “restauração” ou “reparo”, ou foram realizadas “alterações” em seu estado original?”

A renovação de um edifício, a "conservação" (5) de sua substância (6) ou a adição de novos elementos demanda um conjunto de medidas de projeto e ações para sua "reabilitação" (7). Isso requer uma análise preliminar profunda da "danificação" (8) aparente e das deficiências decorrentes do uso e do "estado/condições" (9) de preservação encontradas. Em edifícios construídos a partir do século 19, isso inclui cada vez mais os serviços de construção, sistemas de infraestrutura e maquinaria (10). No caso de edifícios modernos, geralmente em comparação com monumentos mais antigos, o vínculo estético com a "atemporalidade cultural da arquitetura" aparentemente conquistada também é um fator importante de qualificação e representa novas e diferentes questões de avaliação. Por exemplo, em relação à autenticidade, envelhecimento e traços existentes de uso no caso de renovação.

Sticks and Stones (2014) por David Chipperfield: instalação de 143 árvores Espruces de Sitka (do latim Picea sitchensis) com cem anos de idade montadas sobre placas de granito que tematizam dialeticamente a gravidade de sustentação e sobrecarga tectônica em contraste com a construção miesiana de concepção arquitetônica leve, equilibrada e transparente
Foto/photo Klaus Brendle, 2014

Pontos de partida para a renovação básica

Após quase cinquenta anos de uso, mudanças estruturais, padrões funcionais ultrapassados, mudanças nas expectativas dos visitantes e deficiências relacionadas à exposição de obras de arte fizeram com que a Neue Nationalgalerie se deteriorasse a tal ponto que foi necessária sua “renovação básica” (11). Neste processo, também foi indispensável examinar alguns problemas técnicos que sempre causaram dificuldades no uso do edifício:

  • Quais elementos do edifício e padrões de utilização foram preservados, reintegrados ou alterados?
  • O que deveria ser feito para preservar a Neue Nationalgalerie juntamente com seu uso cultural de significância internacional?

O Gabinete Federal de Construção e Planejamento Regional de Berlim — BBR, os Museus Estaduais de Berlim — SMB da Fundação do Patrimônio Cultural Prussiano — SPK, David Chipperfield Architects Berlin e o Departamento de Preservação dos Monumentos Históricos de Berlim — LDA (12), decidiram em conjunto adotar uma abordagem pragmática e não dogmática fundamentada no princípio da "intervenção invisível” (13). No entanto, as intervenções na Neue Nationalgalerie, desde preservá-la em seu estado atual até a inserção de novos elementos e as medidas de reabilitação planejadas e implementadas (14) incluem: conservar, reparar, reintegrar, restaurar, reconstruir, e, nova construção.

O edifício foi reduzido ao estado de carcaça após o trabalho de desmontagem que antecedeu a restauração — o porão com teto em concreto armado do tipo caixotão e estrutura do tipo cassete: à esquerda, a parede de vidro do Jardim de Esculturas; à direita, um dos oito pilares maciços de concreto com capitel que suporta o sistema estrutural de lajes do tipo cogumelo
Foto/photo courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Antes da investigação (15) e das medidas de segurança serem iniciadas, foi necessária uma extensa consolidação (16) estrutural para verificar a estabilidade do edifício, a fim de evitar intervenções posteriores. Foram realizados testes de carga de caráter experimental em seções de teto selecionadas em 2015–2016. Isto mostrou que as placas de teto existentes tinham capacidade de carga suficiente — apesar da posição incorreta do ferro — e, portanto, a estabilidade estática podia ser comprovada experimentalmente. Intervenções gerais na estrutura puderam, portanto, ser evitadas demonstrando o quanto são essenciais e úteis (embora onerosas), as investigações preliminares básicas para determinar medidas apropriadas para o monumento ou para evitar intervenções desnecessárias.

Restauração preservativa — conservando e reparando

NP EN 15898 3.3.10. Restauração: “Ações aplicadas a um objeto cultural estável ou estabilizado, destinadas a facilitar a sua apreciação, compreensão e/ou uso, sempre respeitando e/ou revelando o seu interesse patrimonial e os materiais e técnicas utilizados” (17).

Conservando (18)

NP EN 15898 3.3.1. Conservação: "Medidas e ações destinadas à salvaguarda da herança cultural no que respeita à sua significância garantindo a sua acessibilidade às gerações presentes e futuras. Nota 1 à secção: A conservação inclui a ‘conservação preventiva’, ‘conservação curativa’ e a ‘restauração’. [...] Nota 3 à secção: Todas as ações de conservação são baseadas em provas documentais e/ou evidências materiais".

Todos os elementos não fixos das fachadas e pisos, entre outros — aproximadamente 40.000 elementos reutilizáveis — foram desmontados, inventariados e armazenados, assim como os elementos construtivos e instalações de infraestrutura inutilizáveis que ao final foram descartados. No caso da carcaça restante, os danos no concreto que tinham se tornado visíveis tiveram que ser parcialmente removidos até a armação de aço e depois reparados. A forma particular de tratar muros de concreto revestidos com pedra natural no Jardim de Esculturas é descrita na seção Reconstrução.

Danos estruturais — carbonatação e cobertura de concreto insuficiente para o reforço das paredes de concreto na base do edifício
Foto/photo courtesy GSE Ingenieurgesellschaft mbH, 2017

Os componentes de aço da laje e dos apoios do telhado estavam funcionando por completo e os locais danificados foram seletivamente desenferrujados. Após o tratamento, a cor preta determinada analiticamente da versão inicial poderia ser reaplicada à mão com uma escova de traço visível. Todos os móveis de Mies van der Rohe e Lili Reich foram restaurados, limpos e parcialmente reparados.

A mobília original projetada por Ludwig Mies van der Rohe e Lili Reich — restauração artesanal do estofamento original em couro da Barcelona Chair de 1968
Foto/photo R. Roßberg [Courtesy ProDenkmal, 2018]

As grelhas metálicas de ventilação foram limpas (19) assim como os rodapés de madeira (440 m) que foram removidos e posteriormente reinstalados. Após sua remoção, armários revestidos com lâminas, paredes divisórias e portas receberam uma nova pintura e foram cuidadosamente conservados usando um novo tratamento de lâminas de madeira reversível (20) e puderam ser reinstalados.

O quadro original de distribuição da energia de média voltagem de 1968 continuou em seu lugar como uma relíquia histórica; o novo sistema elétrico central e o sistema de controle foram colocados nas novas salas técnicas
Foto/photo courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Todas as medidas de conservação seguem os princípios estabelecidos pela Carta de Veneza (21), que determina a preservação da substância original como o objetivo principal de conservação de monumentos. Assim, em certos tipos de danos, os objetos (22) foram reparados, as peças originais foram deixadas no edifício na medida do possível ou cuidadosamente desmontadas, tratadas se necessário ou suavemente limpas, armazenadas e posteriormente reinstaladas no decorrer das obras (ver seção Remontando).

Reparando

NP EN 15898 3.5.10. “Reparação: Ações aplicadas a um objeto cultural ou a uma parte deste para lhe restituir a sua funcionalidade/ou o seu aspeto. Nota 1 à secção: A reparação é uma ação de conservação apenas se respeitar a significância e for baseada em provas”.

Restauração das pedras naturais

Os procedimentos realizados na restauração das pedras naturais das fachadas e do piso da área externa incluíram limpeza, remoção de materiais estranhos e adesões. Partes quebradas das pedras foram tratadas com agulha, rachaduras e fissuras foram injetadas, as lacunas foram preenchidas com material de substituição e, no pior dos casos, as pedras foram substituídas por completo. A pedra original do edifício — granito Striegau — pode ser obtida nas mesmas pedreiras nas proximidades de Strzegom (23), na Polônia. Para evitar um contraste de cor muito forte entre as pedras de granito novas e as existentes, foi escolhida uma tonalidade de cinza aproximando-se da cor da pátina após uma cuidadosa limpeza (24). Os reparos feitos com as novas pedras, portanto, permanecem visíveis, mas sem o domínio de sua cor original.

Obra de reparação (ainda não concluída) do revestimento original de granito das paredes externas com a inserção de novas pedras de cor mais clara que serão ligeiramente escurecidas por um cuidadoso pós-tratamento. Entretanto, ainda serão legíveis para serem distinguidas das pedras originais (NP EN 15898:2021 3.3.4 Legibilidade)
Foto/photo Betânia Brendle, 2021

Fachada de aço e vidro

Os sérios e difíceis problemas com as fachadas de aço e vidro da Neue Nationalgalerie são conceitualmente um "defeito", que requer reparos extensivos. De acordo com a NP EN 15898, um "defeito" é caracterizado pela "imperfeição de um objeto devido a sua concepção, sua produção ou seu processo de construção ou à natureza dos materiais empregados” (25). Três diferentes problemas podem ser apontados:

  • Pressão do vento devido às intempéries e movimentos térmicos (1)
  • Estabilidade e segurança no tráfego dos vidros (2)
  • Condensação nas superfícies do vidro e perfis de aço (3)

Valores de deformação determinados a partir da carga morta do corpo do telhado e das cargas de neve, chuva, cargas de vento e movimentos relacionados à temperatura agindo por cima da fachada
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Fachada de aço e vidro, influências climáticas e cargas adicionais

As forças do vento que agem sobre a fachada de um dos lados do edifício são desviadas para a laje do teto por meio de tiras de aço móveis (por uma construção de tipo sword-sheath-construction ou “espada embainhada”) e para a laje de concreto do piso do terraço. Entretanto, esses ventos cortantes nos cantos do edifício também têm efeito sobre as respectivas fachadas adjacentes longitudinais no ângulo direito e pesam sobre elas nas esquinas laterais do edifício. Além disso, as tiras de aço estruturais superiores estão presas nos trilhos das “bainhas” no teto de aço devido às mossas que havia sofrido. Os efeitos térmicos ligados à temperatura também deformaram o comprimento da fachada de aço em vários centímetros e ela não teve espaço suficiente para se expandir. A isto se somaram as cargas do próprio teto (com estrutura do tipo cassete) provenientes da neve, chuva, cargas de vento e movimentos de temperatura, que afetaram as fachadas por cima, porque elas não podiam se mover o suficiente nas lajes do teto e piso. À época, nenhuma possibilidade de expansão havia sido planejada para esses efeitos causados pela força do vento e pelos movimentos verticais. A rigidez interativa ou mobilidade insuficiente da construção geral de aço da fachada transferiu sua carga compressora para as vidraças, que se quebraram repetidamente sob esta carga desde o início.

As quatro seções de fachada recém-criadas de cada lado — cada uma tem valores de expansão mais baixos devido a sua divisão individual (setas vermelhas). Os "postes de expansão" com juntas de movimento integradas são usados para absorver a expansão de temperatura das fachadas. Outras forças de cisalhamento nos cantos da fachada são absorvidas por superfícies compostas de aço e vidro especiais fortemente coladas.

Seção horizontal dos novos postes de expansão — os movimentos horizontais (setas vermelhas) da fachada de aço-vidro são absorvidos quase invisivelmente nos novos postes por pequenos espaçadores de seção individual da fachada. Estas réplicas especiais têm as mesmas dimensões dos postes originais e só podem ser lidas nos parafusos como uma cópia modificada (NP EN 15898:2021 3.3.4. Legibilidade); o interior do edifício está ao fundo
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Seção horizontal dos novos postes de expansão — os movimentos horizontais (setas vermelhas) da fachada de aço-vidro são absorvidos quase invisivelmente nos novos postes por pequenos espaçadores de seção individual da fachada. Estas réplicas especiais têm
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Com a nova e melhorada solução construtiva, a deformação máxima por temperatura por seção de fachada pôde ser reduzida a aproximadamente três vezes 1,5-2,0cm cada ao dividir a fachada em quatro seções estruturais individuais (e invisíveis) em cada lado. Para isso, três novos e especiais “postes de expansão” foram detalhados em cada caso, o que pode acomodar a expansão ou o encolhimento reduzido por seção. Eles são compostos de perfis sólidos como os originais, mas possuem certas possibilidades de movimento por meio de conexões de parafusos e distâncias internas. Os efeitos dos movimentos do teto nas quatro fachadas são garantidos por placas de conexão reduzidas e adaptadas, e novas possibilidades de movimento vertical. Outra medida para estabelecer e absorver as forças cortantes laterais é a formação de “elementos de canto resistentes à ruptura”, o que foi conseguido por meio de uma ligação estática especial entre as vidraças e os perfis de aço.

Fachadas de vidro e aço e a estabilidade do vidro

O vidro único embutido com dimensões de até 5,37 x 3,46m só poderia ser produzido com vidro fundido (d = 12,5 mm) na época da construção. Foi produzido na França pela empresa Boussois, continha pouco ferro, arsênio e flúor e tinha uma coloração semelhante ao vidro branco de hoje em dia, mas não é mais produzido e não pode mais ser instalado devido aos riscos de quebras. Em vez disso foi selecionado um vidro de segurança laminado (feito com duas placas de vidro parcialmente endurecido 2 x 12 mm) possuindo duas folhas ligadas com um filme resistente à ruptura entre elas, que possui alta estabilidade e resistência à flexão e tração. Na época das obras de renovação do edifício, havia apenas um fabricante no mundo (na China) que podia produzir vidro laminado nas dimensões máximas necessárias à Neue Nationalgalerie. A reinstalação do vidro único significa que a condensação no interior das vidraças não poderia ser descartada no futuro.

Neue Nationalgalerie, fluxo de ar na parede de vidro, croqui para análise do fluxo de ar insuficiente e inconstante
Desenho original/original drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin

Fachada de aço e vidro e formação de condensação

Além da instabilidade da fachada devido ao vidro muito fino e aos riscos de segurança em caso de quebra, houve, desde sua construção, uma clara formação de água de condensação dentro do envidraçamento e da construção em aço, em certas temperaturas externas no inverno (abaixo de 5˚C), pois ambos não estão separados termicamente. Como resultado, algumas partes de aço foram claramente corroídas e, devido à drenagem insuficiente da água condensada, houve problemas de umidade na base da fachada apesar da readaptação com calhas “U”. Para evitar ou reduzir a formação de condensação, o ar quente foi soprado perto da fachada na parte de baixo e retirado na parte superior. A cortina, funcionalmente necessária, é parte integrante do projeto original de Mies, e foi também destinada a controlar melhor o fluxo de ar morno e criar um microclima de amortecimento logo atrás da fachada. Entretanto, o fluxo vertical de ar morno permaneceu instável, e não foi possível garantir um clima interno seguro e uniforme no hall de exibição. As soluções do projeto e instalação na época não foram suficientes para isso do ponto de vista da física de construção. Além disso, a cortina montada em três lados da fachada (substituída por uma cortina mais escura nos anos 1970-1980) foi completamente desmontada em 1998, independentemente de sua necessidade climática (26).

De acordo com os objetivos do projeto de restauração, foi decidido reinstalar as fachadas originais não separadas termicamente com os estreitos perfis de aço. O tratamento de sua superfície com a preservação das cores originais por meio de limpeza e reparos seletos é explicado na seção Conservando. Ao preservar as partes originais unindo-as com os novos “postes de expansão” da mesma cor, necessários sob o ponto de vista da física de construção, foi possível preservar o efeito transparente das fachadas. Entretanto, o ar-condicionado e o sistema de aquecimento tiveram de ser replanejados (27) por completo a fim de regular melhor as condições físico-construtivas das fachadas. Em relação à tecnologia do sistema de aquecimento, ventilação e ar condicionado do período de construção, isto deve ser visto como uma destruição de partes originais do monumento, mas do ponto de vista do uso do salão para exposição de obras de arte, um "reparo" absolutamente necessário dos parâmetros climáticos internos.

A fachada de aço e vidro e o microclima — 1:1 teste do modelo de simulação no laboratório para redesenhar o sistema interno de controle climático ao longo da fachada de vidro (altura 8,4m), aberta na esquerda e com um segmento de cortina na direita

Foto/photo Tobias Smolla SLT
Courtesy Schanze Lufttechnik Lingen, 2018

Em elaborados testes de laboratório, os fluxos de ar ao longo da fachada de vidro de 8,4 m de altura foram investigados e otimizados a fim de minimizar o problema da forte formação de condensado em toda a altura da fachada interna por meio de um fluxo contínuo de ar quente. O sistema de ar condicionado central recém-projetado gera um aquecimento e uma qualidade do ar especialmente preparados para a fachada de vidro com os valores relevantes de fluxo necessários. Assim, o sistema de ar condicionado pode amortecer melhor os efeitos do tempo em todas as quatro fachadas. Ainda assim, a formação (mínima) de condensação não pode ser desconsiderada por completo. A drenagem do condensado foi optimizada por meio de algumas medidas precisas, como os próprios perfis de aço e uma drenagem melhor por uma calha maior na base da fachada. Dessa forma, a água de condensação não mais flui para a grade adjacente de ar.

Fachada de aço e vidro, seção vertical dos postes da fachada, ponto da base original em escala M 1:5; detalhe da planta número 3601. Fachada de aço e vidro da sala de exibições, detalhes padrão do andar térreo, em 14.08.2015”, com calha de condensação
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Vista interior da base da fachada, borda granítica original do piso e grelha de aço após a desmontagem e limpeza para o fornecimento de ar quente/frio necessário para minimizar a condensação no envidraçamento. À direita, a nova calha de drenagem que recolhe a condensação restante. Na extrema direita, a estrutura da esquadria inferior de aço limpa e/ou reparada, com o novo caixilho de aço modificado (parafusado) para montagem dos vidros, e com o painel de vidro laminado de nova maior espessura (d = 25 mm)
Foto/photo Betânia Brendle, 2021

Parâmetros climáticos gerais do interior do edifício, em especial no salão de exposições

As inadequações do envelope do edifício original, como foi descrito acima, tiveram um efeito direto nas condições climáticas no interior do edifício. Além disso, quando o sol brilhava no verão, as grandes superfícies de vidro esquentavam o edifício consideravelmente. As consequências desses defeitos (28) materiais e funcionais no edifício levaram a mudanças (29) constantes que ameaçaram a integridade (30) de sua estrutura que estava em uso desde sua inauguração em 1968. A instabilidade do clima interno do hall do pavimento térreo comprometeu seu uso como um local de exibição internacional de obras de arte. Além disso, os pré-requisitos climáticos e de segurança para as condições de espaço interno de exposição no ramo de empréstimos de obras de arte internacionais tornaram-se consideravelmente mais rigorosos desde 1968.

Detalhe do sistema original de infraestrutura de serviços do edifício antes da desmontagem
Foto/photo courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Uma regulação precisa, confiável e constante das condições climáticas nos ambientes de exposição — especialmente no salão de vidro — foi essencial para o uso contínuo do edifício para este fim. A esse respeito, pré-requisitos climáticos consideravelmente mais rigorosos tiveram que de ser executados durante a reabilitação do edifício. Outras exigências relacionadas a qualidade do ar para os visitantes, funcionários, depósitos e as salas técnicas também tiveram que ser consideradas. O "reparo" do clima da sala incluiu, portanto, uma nova engenharia de aquecimento, ventilação e ar condicionado, que permite um controle diferenciado de todo o sistema para oito "zonas climáticas" diferentes no edifício. O aquecimento ou resfriamento se adapta aos respectivos pré-requisitos espaciais por meio do fornecimento e da qualidade do ar, apoiado pelo aquecimento subterrâneo totalmente renovado no hall. Se necessário, isso agora também pode ser usado para resfriar o superaquecimento do interior do vidro durante o verão. Graças ao novo layout e controle diferenciado do sistema de serviços de construção, o ar aquecido é extraído diretamente do interior das fachadas. Mesmo assim, obras de arte sensíveis ainda não podem ser colocadas perto delas.

Restauração adaptativa — Reintegrando e reconstruindo (31)

Carta de Veneza, Artigo 9°: “A restauração é uma operação que deve ter caráter excepcional. Tem por objetivo conservar e revelar os valores estéticos e históricos do monumento e fundamenta-se no respeito ao material original e aos documentos autênticos”.

Reintegrando

NP EN 15898:2021 3.5.7 “Reintegração: ação de restauração que consiste em adicionar material para a reconstrução da aparência. Exemplos: retoque, inserção, restauração de pintura, enchimento etc”.

A cortina

Essencial para a imagem e uso da Neue Nationalgalerie é o “preenchimento da lacuna” (NP EN 15898:2021 3.5.7. por exemplo, chamado “enchimento”) visual e funcional gerada pela ausência da cortina original planejada para três lados das fachadas. Sua função não se limita a estimular o microclima na fachada de vidro (32), regulando também os níveis de iluminação na sala de exposições e prevenindo luz ofuscante, irradiação e reflexos. Problemas surgiram com o tecido da cortina colando no vidro molhado e com a exposição excessiva à luz, que dificultava a conservação, inclusive ao longo da fachada de vidro no porão. Nas décadas de 1970 e 1980, a cortina original do salão foi substituída por uma de tecido mais escuro, sendo desmontada em 1998 e nunca mais reinstalada. Esta mutilação ocorreu três anos depois que a Neue Nationalgalerie foi tombada como monumento de arquitetura.

As cortinas semitransparentes do grande salão do pavimento térreo (em vermelho), sua disposição original em três lados, a marcação dos locais de recolhimento e as direções de seu funcionamento. As cortinas são movidas eletricamente com os motores originais atualizados
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Desenho da reconstrução da cortina original do grande salão no andar térreo, planta baixa, seção transversal e detalhe
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

De acordo com os valores e conceitos arquitetônicos da época, o efeito de projeto espacial pretendido não deve ser subestimado. Mies se preocupou intensamente com os parâmetros materiais da cortina e a considerou como um elemento essencial de seu projeto: um tecido têxtil semitransparente, suave e ondulado complementando a natureza austera, clara e precisa do aço. As referências visuais interior-exterior também eram importantes, tanto em termos do espaço urbano como para a visualização das esculturas. Assim, de acordo com os documentos do projeto original, diversas amostras de tecido foram examinadas. No final, o fabricante original, Knoll International, foi novamente contratado para fabricar a cortina modelo Saphir na cor cinza. O mecanismo eletromotriz da cortina foi atualizado como um monumento técnico.

Amostras das cortinas semitransparentes para o grande hall do pavimento térreo, reconstruída originalmente na esquerda, modificada com uma transparência um pouco mais escura na direita
Foto/photo courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2019

No entanto, a adição reconstrutiva à cortina foi modificada tecnicamente para facilitar ajustes espaciais ou relacionados à exposição. A fixação é mais fácil de desmontar, outros materiais podem ser acrescidos e, por meio de armações adicionais, uma proteção parcial contra a luz pode ser colocada flexivelmente em alturas diferentes, por exemplo, na metade da altura da sala. O armazenamento temporário das grandes caixas de recolhimento dos tecidos também foi levado em conta. As cortinas para a parede de porão ficaram mais protegidas da luz por motivos de conservação e podem ser escurecidas por desligamentos adicionais.

Reconstruindo (33)

NP EN 15898 3.5.6 Reconstrução: “Recriação de um objeto cultural para o seu formato inicial presumido utilizando os materiais existentes e/ ou de substituição. Nota 1: A reconstrução respeita a significância do objeto e baseia-se em provas. Nota 2: A reconstrução pode ser física ou virtual”.

Remontando

NP EN 15989 3.5.5 "Remontagem: Ação de voltar a unir partes dissociadas de um objeto”.

No início do trabalho de restauração, houve necessidade de desmontar e guardar cerca de 40 mil componentes e “objetos” para fortalecer a carcaça da construção subjacente. (Ver seção Conservando). Depois de requalificados, eles poderiam — quando possível e planejado — ser remontados nos mesmos locais graças à codificação dos componentes e aos planos de desmontagem.

Os rodapés originais (em torno de 440 m) preparados para remontagem no porão, e à direita, um painel de parede folheado, todos codificados para remontagem nos locais originais
Foto/photo Betânia Brendle, 2021

Destruição e reconstrução

Há muito tempo os muros do "Jardim de Esculturas" tinham problemas estruturais na forma de rachaduras e placas de granito quebrado. A causa foi a mudança da radiação solar com o aquecimento parcial dos muros revestidos de concreto, que trouxe cargas de tensão desiguais devido a movimentos relacionados à temperatura e à falta de juntas de expansão para contrabalançá-los. Havia três opções de ação de engenharia estrutural: 1. Cortar juntas de movimento em número suficiente para resultar em juntas verticais visíveis no revestimento antes homogêneo em pedra natural; 2. Permitir os efeitos das intempéries (34) de forma controlada, resultando em mais deterioração progressiva (35), que pode ser interpretada ou aceita como envelhecimento (36) e 3. A demolição total das paredes estruturais de concreto e reconstrução delas com reforço de aço suficiente para prevenir pressões e movimentos. De forma contrária ao postulado de Georg Dehio — “Conservar, não reconstruir” (37) — foi adotada a terceira opção — uma nova solução estrutural. O muro original foi demolido e as paredes circundantes foram reconstruídas com um reforço mais forte. Para o espectador, não é a intervenção que é perceptível visualmente, mas os muros do jardim revestidos com as placas de granito originais ou substituídas.

Nova construção

Alteração — NP EN 15898: “Mudança na condição, benéfica ou não, intencional ou não.”

Reabilitação — NP EN 15898: "Intervenção em um objeto imóvel com o objetivo [...] de adaptá-lo a [...] padrões de conforto, segurança e acessibilidade".

Wo gehobelt wird, fallen Späne..." (38).

Novas construções em edifícios históricos sempre envolvem a perda de componentes técnicos e objetos funcionais, sejam eles pré-existentes ou adicionados. Na Neue Nationalgalerie as remoções se limitaram principalmente aos componentes técnicos "invisíveis" e à substituição de peças desgastadas ou com "defeitos congênitos" desatualizados e insuficientemente planejados (39) ". Durante o longo período de realização do projeto (2012 a 2021), alguns objetivos da preservação do monumento tiveram que ser adaptados ou até revisados (40). Apesar dos muitos objetivos alcançados nas medidas de conservação da Neue Nationalgalerie, houve uma falta de preocupação com alguns elementos e acessórios do edifício que não foram considerados como perdas patrimoniais e, portanto, substituídos em vez de restaurados. Isto incluiu os revestimentos do piso marmorizado original, vidros inutilizáveis, o Jardim de Esculturas original, as máquinas de café antigas, as instalações de iluminação do período de construção e os novos detalhes de encaixe não reversíveis, como juntas de expansão, entre outros. É importante ressaltar que todas essas decisões fizeram parte de um processo de restauração e conservação (41) visando preservar o edifício Modernista e torná-lo novamente apto para uso. O fato de que os signatários da Carta de Veneza não estavam pensando em quadros de distribuição, cabos de cobre, dutos de ventilação e tubulações de água, material vítreo, poluentes e materiais de proteção contra incêndio, entre outros, quando elaboraram seus princípios e diretrizes, deve ser ressaltado. É chegado o momento de se refletir sobre a importância da preservação das instalações técnicas, entre outros aspectos e elementos que constituem a substância tectônica e arquitetônica dos monumentos, em particular do patrimônio arquitetônico Moderno. Elevadores, interruptores de luz, máquinas, serviços e infraestrutura da construção são componentes técnicos conectivos sem os quais nenhum "monumento da Modernidade" pôde ser concebível e construído. Caso contrário, nada teria sido aprendido com Reyner Banham (42), que nos abriu os olhos para os importantes avanços tecnológicos que tornaram possível a arquitetura do século 20, também a de Mies.

Nova acessibilidade (43)

Informação efetiva e sistemas de orientação para pessoas com mobilidade limitada não começam no edifício a ser acessado; são compreendidas como sistemas urbanos mais amplos. Assim, um edifício ou um espaço público onde as pessoas se movimentam se torna parte de uma estrutura de regulação urbana abrangente e uniformemente regulada, voltada tanto para visitantes quanto para os cidadãos da própria cidade o que ajuda as pessoas com mobilidade reduzida a se locomoverem com o mínimo possível de ajuda externa. A cidade de Berlim criou um centro de informação e apoio (44), onde material informativo pode ser solicitado antes das visitas e, entre outros serviços, pode-se agendar um guia turístico especializado. Para alguns locais populares, como a Neue Nationalgalerie, sugestões de acesso, plantas de orientação (disponíveis também na Internet) e informações sobre o edifício são disponibilizados a pedido. Os serviços da Neue Nationalgalerie para esse público se conectam diretamente com esse sistema urbano de informações, como por exemplo as vagas de estacionamento especialmente destinadas na esquina nordeste, ou a parada de ônibus localizada bem na frente do edifício.

Área do pavimento térreo e terraço entre o ponto de ônibus e a escada (Treppe B) — seção do projeto de acessibilidade
Desenho/drawing courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Painéis de informação nas escadas mostram os detalhes do acesso sem barreiras. A partir da parada de ônibus, a escada e rampa sudeste (identificada no mapa como Treppe B), são acessadas diretamente. Antes havia duas rampas, mas elas tinham uma inclinação muito alta. Aqui, ao longo da parede do terraço, uma rampa nova e mais longa, com pedra natural e inclinação de 3% foi construída. Ela é mais confortável do que o determinado pelas normas e não exige corrimão. Com informação previamente adquirida, seja na preparação para a visita ou através de um painel informativo no local, o caminho para as pessoas com deficiência visual os conduz para além das escadas e, por meio de indicações no chão, até depois da fachada de aço e vidro. O caminho segue tactilmente ao longo das fachadas até as portas giratórias da entrada principal leste, ou para a esquerda até as portas duplas e mais largas à oeste. Essas entradas podem ser acessadas independentemente sem tocar uma campainha. Cadeirantes, pessoas com muletas e carrinhos de bebê alcançam o terraço pela nova rampa e podem entrar no hall sem enfrentar barreiras.

Piso tátil para pessoas com visão reduzida localizada entre a escada e/ou rampa acessível e a fachada sul da Neue Nationalgalerie. As novas placas de granito ainda estão sendo escurecidas. Por motivos de preservação do monumento, os indicadores de chão não são muito contrastantes
Foto/photo Betânia Brendle, 2021

Um elevador novo, instalado na antiga sala de limpeza do hall, conduz o visitante até o porão, onde há um balcão de serviço para usuários de cadeiras de rodas que pode ser acessado por baixo. Neste local, pessoas com problemas de audição também recebem equipamento de suporte auditivo para visitar o local independentemente. As duas escadas também foram reequipadas para as pessoas com deficiência visual, como por exemplo as marcas discretas no primeiro e último degraus e informações em Braille no corrimão.

Informações em Braille no corrimão e marcações dos degraus na escada
Foto/photo courtesy David Chipperfield Architects Berlin

No porão, todas as entradas do público abrem automaticamente (46) ou com uso de um botão. Banheiros para pessoas com deficiência foram disponibilizados, inclusive para os funcionários. Em geral, devido ao caráter singular do monumento, tomou-se como princípio básico de design, marcações e apoios estruturais moderados e reduzidos para respeitar a simplicidade pura do projeto de Mies. Por outro lado, o design oferece as necessárias medidas e indicações de apoio em um pano de fundo neutro contra o qual elas podem se sobressair mais legivelmente. Com essas novas instalações, informações sistemáticas disponíveis e equipamentos que podem ser automatizados, agora é possível visitar uma exposição sem ajuda de outros.

Balcão de serviços no hall da escada (Treppenhalle) do porão com um ponto de informação acessível para cadeiras de rodas pessoas com mobilidade reduzida
Foto/photo courtesy cortesia David Chipperfield Architects Berlin, 2021

Novos acessórios e acréscimos

A instalação de um café, de vestiários públicos e da loja do museu em salas mais adequadas exigiu a transferência das salas de serviço originais para uma nova área do edifício, gerando uma consequência funcional materializada na construção de um anexo subterrâneo na parte leste do edifício sob o pódio frontal. Neste anexo foram acomodados, entre outros, áreas técnicas, laboratórios de conservação e áreas para depósito do acervo de acordo com as normas internacionais atuais. As recém projetadas instalações do edifício técnico foram também relocadas (47) para esta nova área. Os únicos sinais legíveis do uso dos antigos espaços não públicos resultantes da relocalização realizada até 2021 estão localizados nos novos vestiários e na loja do museu, onde o teto e as paredes de concreto permanecem em estado bruto e sem revestimento (48).

Novos acréscimos e extensões subterrâneas em vermelho (corte do edifício e abaixo, a planta-baixa do porão), incluindo a novas superfícies do piso de granito dos novos vestiários e loja do museu; à direita, o novo depósito (cerca de 600 m2) e as áreas técnicas contíguas (300 m2). A seta verde indica o acesso subterrâneo proposto para o museu vizinho, Museu da Arte do Século 20, projetado por Herzog & de Meuron
Desenho/drawings courtesy David Chipperfield Architects Berlin, 2015

Uma grave intervenção espacial na Neue Nationalgalerie diz respeito ao novo acesso subterrâneo “invisível” do vizinho Museu de Arte do Século 20 (projetado por Herzog & de Meuron) previsto no subsolo (ver seta verde acima). Isto afeta fortemente a Moderna dramaturgia espacial, única e singular, projetada por Mies para este "templo da arte". A experiência de subir caminhando até o terraço e entrar no hall de vidro, depois descer até os menores e mais “introspectivos” espaços de coleção, de onde se pode “contemplativamente” concluir a visita na área “íntima” do “Jardim de Esculturas” será eliminada pelo novo acesso subterrâneo projetado, que destruirá essa impressionante sequência espacial degradando a Neue Nationalgalerie a um mero apêndice. O futuro "museu vizinho" prejudica o espírito conceitual deste monumento arquitetônico, que até hoje preserva a visão e a percepção da arte dos anos 1950–1960 proporcionada por este ícone do Modernismo, a última obra construída de Mies van der Rohe.

notas

NA1 — Com agradecimentos especiais do autor a Martin Reichert (Diretor e Sócio de David Chipperfield Architects Berlin) por seu grande apoio e valiosas informações do projeto. E também ao arquiteto Rubens Luiz Santos e a Fábio Araújo.

NA2 — Traduzido do original em inglês por Gabriela Vieira de Araújo.

1
Devido à pandemia Covid-19, a Neue Nationalgalerie foi oficialmente inaugurada m abril de 2021 apenas com a presença de um pequeno grupo de autoridades. A abertura para o grande público foi realizada em 22 de setembro com uma exposição de Alexander Calder. A obra Distância (1928), da artista plástica brasileira Tarsila do Amaral, foi trazida especialmente do Museu de Arte Moderna de São Paulo — Masp para a exposição Die Kunst der Gesellschaft 1900-1945. Tipps und Termine Wohin am Wochenende? Monopol. Magazin für Kunst und Leben, 20 ago. 2021 <https://bit.ly/35xUgZD>.

2
A descrição do projeto e a avaliação da intervenção na Neue Nationalgalerie bem como todas as definições utilizadas baseiam-se na norma atual (norma europeia) EN 15898:19 de 2019 intitulada “Conservação do Património Cultural — Principais termos e definições gerais”. Esta norma uniformiza todos os termos e medidas comuns utilizados para a conservação do patrimônio e contribuirá para uma compreensão técnica e profissional mais precisa. A EN 15898:19 foi elaborada pelo CEN/TC 346 (Comité Européen de Normalisation / Technical Commitee 346) Comité Técnico Conservação do Património Cultural, cuja sede do Secretariado está localizada na UNI (Italian National Unification Body). Em Portugal, a atual norma (norma portuguesa) NP EN 15898:2021 foi introduzida em 10.01.2020 pela Comissão Técnica de Normalização CT 174 "Fotografia", cuja coordenação é assegurada pelo Organismo de Normalização Setorial, (Associação Portuguesa dos Profissionais da Imagem — ONS/APPImagem. — Neste artigo, a maioria das citações são abordadas como fontes apenas pelos números e subtítulos da atual NP EN 15898:2021 (que é semelhante aos números da EN 15898:2019).

3
"Autenticidade: grau de alinhamento entre um objeto e a identidade a ele atribuída". Definição de termo retirado de "3.1.8. autenticidade" na norma portuguesa (NP EN) 15898 Conservação do patrimônio cultural — Principais termos e definições gerais, conforme retificado em 2021.

4
Etymologisches Wörterbuch des Deutschen [etimologia alemã], compilado sob a direção de

PFEIFER, Wolfgang. Edição licenciada, Koblenz, 2012, p. 920-921. Ver também os dezoitos significados de "novo" (em inglês), em Collins English Dictionary. 3ª edição. Nova York, HarperCollins, Glasgow, 1991, p. 1050. Ver também os doze significados de "novo" (em português), em FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Aurélio Século 21: o dicionário da língua portuguesa. 3ª edição. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1999, p. 1420.

5
Todos os termos e notas mencionados previamente são definidos pela NP EN 15898:2021 a seguir: “3.6.3. investigação: Obtenção e coleta da informação necessária para um processo de tomada de decisão em conservação. Nota 1 à secção: Deverá incluir informação qualitativa e quantitativa. [...] / 3.1.6. valor: Indicação da importância que os indivíduos, comunidades ou uma sociedade atribuem a um objeto cultural, conjunto ou coleção num contexto específico. Nota 1 à secção: O valor pode ser de diferentes tipos, por exemplo: artístico, simbólico, histórico, social, económico, científico, educacional, tecnológico, funcional etc./ 3.1.8. autenticidade:” ver Op. cit. e “Nota 1 à secção: O conceito de autenticidade não deverá ser confundido com o conceito de ‘originalidade’. / 3.5.6. reconstrução, restituição: Recriação de um objeto cultural para o seu formato inicial presumido utilizando os materiais existentes e/ ou de substituição. / 3.5.1. tratamento: Intervenção direta efetuada sobre um objeto cultural para atingir objetivos de conservação definidos. Nota 1 à secção: O tratamento menos invasivo consistente com a realização dos objetivos definidos é muitas vezes referido como intervenção mínima. / 3.5.7. reintegração: Ação de restauração que consiste na adição de material para reconstrução da aparência. Exemplos: Retoque, incrustação, repintura, enchimento etc. / 3.3.10. restauração: Ações aplicadas a um objeto cultural estável ou estabilizado, destinadas a facilitar a sua apreciação, compreensão e/ou uso, sempre respeitando e/ou revelando o seu interesse patrimonial e os materiais e técnicas utilizados. Nota 1 à secção: Em certas comunidades profissionais, especialmente no domínio da herança cultural amovível, o termo restauração tradicionalmente cobre o domínio total da conservação. Nota 2 à secção: A conservação curativa é muitas vezes realizada ao mesmo tempo que a restauração. / 3.5.10. reparação: Ações aplicadas a um objeto cultural ou a uma parte deste para lhe restituir a sua funcionalidade/ou o seu aspeto. Nota 1 a secção: A reparação uma ação de conservação apenas se respeitar a significância e for baseada em provas. / 3.2.4. alteração, modificação de condição, modificação de estado: Mudança na condição, benéfica ou não, intencional ou não. / 3.3.1. conservação / conservação-restauração: Medidas e ações destinadas à salvaguarda da herança cultural no que respeita à sua significância garantindo a sua acessibilidade às gerações presentes e futuras. Nota 1 à secção: A conservação inclui a ‘conservação preventiva’, ‘conservação curativa’ e a ‘restauração’”. Ver notas 2 e 3 sobre o termo em 3.3.1. NP EN 15898.

6
Wolfgang OBEREISENBUCHNER im Gespräch mit David KASPAREK, Erhalt als Sinnfrage. Dinge sammeln und Werte vermitteln. [Preservação como uma questão de significância. Coletando coisas e transmitindo valores]. „der architekt“, n. 3, Berlin, 2018, p. 67-69.

7
“Reabilitação: intervenções sobre um objeto cultural amovível para lhe restituir uma funcionalidade anterior presumida, adaptar a uma função diferente ou a formas de conforto, segurança e acesso”. NP EN 15898. 3.5.8. Ver também notas 1-2 à seção.

8
“Danificação, degradação, deterioração, desgaste: alteração não benéfica. Nota 1 à secção: Embora as alterações não sejam benéficas ao objeto cultural, poderão por vezes ser consideradas como contribuindo para enriquecer a sua significância, por exemplo: vestígios de uma guerra no objeto cultural”. NP EN 15898, 3.2.7.

9
“Estado/condição: condição material de um objeto cultural num dado momento”. NP EN 15898, 3.2.1.

10
BANHAM, Reyner. The Architecture of the Well-Tempered Environment, Chicago/London, The Architectural Press/The University of Chicago Press, 1969. „der architekt“, Verdrängte Substanz. Zum Denkmalwert häuslicher Infrastrukturen. [edição tématical], n. 3, Berlin, 2018, p. 14-57.

11
REICHERT, Martin. Der unsichtbare Architekt — die Grundinstandsetzung der Neuen Nationalgalerie Berlin als Zielkonflikt-Moderation [O arquiteto invisível — a renovação básica da Neue Nationalgalerie Berlin como um conflito de moderação de objetivos]. BRANDT, Sigrid, HASPEL, Jörg (org.) Denkmal — Bau — Kultur: Konservatoren und Architekten im Dialog. Kolloquium anlässlich des 50jährigen Jubiläums von ICOMOS Deutschland, „Icomos — Hefte des Deutschen Nationalkomitees”. 1ª edição. LXIII, Berlin, 2017, p. 51-61.

12
Bundesamt für Bauwesen und RaumordnungBBR in Berlin, Staatliche Museen Berlin (smb)da Stiftung Preußischer Kulturbesitz — SPK, David Chipperfield Architects Berlin e Landesdenkmalamt Berlin LDA.

13
Para o conceito da intervenção de Chipperfield e os seus princípios teóricos relacionados à conservação e restauração crítica de edifícios históricos, ver BRENDLE, Betânia. A intervenção invisível. A Restauração da Neue Nationalgalerie de Mies van der Rohe em Berlim.

14
Neste artigo apenas alguns exemplos práticos de medidas foram descritos. Para mais informações e detalhes com ampla documentação fotográfica sobre as etapas individuais da restauração e renovação (entre 2015-2021) consultar o blog alemão Staatliche Museen zu Berlin (March 2021). MARLIN, Constanze von; SCHMEDDING, Anne <https://bit.ly/3Hp5gWA>.

15
“Investigação: obtenção e coleta da informação necessária para um processo de tomada de decisão em conservação. Nota 1 à secção: Deverá incluir informação qualitativa e quantitativa”. NP EN 15898, 3.6.3.

16
“Consolidação: melhoria da coesão interna ou da estabilidade mecânica, geralmente envolvendo a adição de material. Nota 1 à secção: Quando é considerada apenas a estabilidade mecânica, o termo ‘reforço’ é igualmente usado”. NP EN 15898, 3.5.4.

17
Para mais informações ver NP EN 15898 3.3.10.: “Nota 1 à secção: Em certas comunidades profissionais, especialmente no domínio da herança cultural amovível, o termo restauração tradicionalmente cobre o domínio total da conservação”.

18
“Conservação/conservação-restauração” para definição ver a citação seguinte da NP EM 15898, 3.3.1. no texto. Ver também toda a seção 3.5 da norma NP EN 15898: 3.5. “termos relativos à conservação curativa e à restauração”.

19
“Limpeza: remoção de materiais indesejáveis num objeto cultural. Nota 1 à secção: Os critérios para algo ser ‘não desejado’ devem ser sempre definidos, por exemplo se podem provocar degradações, obscurecer um detalhe ou ser inestéticos etc. e deverão ter em conta a altura e o contexto em que a decisão foi tomada”. NP EN 15898, 3.5.3.

20
“Reversibilidade: qualidade variável pela qual o resultado de uma intervenção pode ser anulado sem danificar o objeto cultural”. NP EN 15898, 3.3.5.

21
Carta Internacional para a Conservação e Restauro de Monumentos, documento-base do Conselho Internacional de Monumentos e Sítios — Icomos, resultante do II Congresso Internacional de Arquitetos e de Técnicos de Monumentos Históricos, realizado em Veneza de 25 a 31 de maio de 1964.

22
“Objeto cultural / objeto: elemento da herança cultural tangível. Nota 1 à secção: O termo ‘objeto cultural’ é usado nesta norma como herança cultural, tanto amovível como movível. Em contextos profissionais específicos são usados outros termos: por exemplo, ‘bem cultural’, ‘património cultural’, ‘artefacto’, ‘propriedade cultural’, ‘local cultural’, ‘edifício’, ‘monumento’, ‘espécime’, ‘estrutura’, ‘paisagem cultural’, ‘documento’”. NP EN 15898, 3.1.3.

23
Após a Segunda Guerra Mundial, Striegau, então território alemão, passou a se chamar Strzegom e foi incorporada à Polônia.

24
“Limpeza”. NP EN 15898, 3.5.3.

25
“Defeito”. NP EN 15898, 3.2.5.

26
Para mais detalhes sobre o planejamento da cortina, ver seção Reintegrando).

27
Ver seção Parâmetros climáticos gerais do interior do edifício, em especial no salão de exposições.

28
Ver NP EN 15898, 3.2.5. “defeitos”. Op. cit.

29
Ver NP EN 15898, 3.2.4. “alteração”. Op. cit.

30
“Integridade: condição de completitude física ou conceitual de um objeto cultural”. NP EN 15898, 3.2.3.

31
Ver NP EN 15898, 3.3.10. “Restauração”. Op. cit.

32
Ver também 2.2.b.(3) Fachada de aço e vidro e formação de condensação.

33
“Reconstrução”: para definição, ver a citação de NP EN 15898 3.5.6. no texto.

34
“Erosão climática: modificação do estado devido a uma exposição ao ambiente exterior”. NP EN 15898, 3.2.11.

35
“Deterioração: alteração não intencional que reduz a significância e/ou estabilidade. [...]”. NP EN 15898, 3.2.8

36
“Envelhecimento: alteração natural pelo tempo. Nota 1: os resultados do envelhecimento também podem ser artificiais”. NP EN 15898, 3.2.6.

37
DEHIO, Georg, Denkmalschutz und Denkmalpflege im 19. Jahrhundert. Festrede an der Kaiser-Wilhelms-Universität in Straßburg am 27. Januar 1905. DEHIO, Georg, Kunsthistorische Aufsätze, München/Berlin, R. Oldenbourg, 1914, p. 275. Ou na formulação atual de Hartwig SCHMIDT [1998]. Reabilitando em vez de reconstruindo!

38
A versão desse provérbio em Português não tem o significado arquitetônico apropriado como em Alemão. Traduzido diretamente, significa: “Se você aplainar madeira, terá lascas de madeira”. Mostra a consequência inevitável de se trabalhar com material.

39
"A fachada de aço e vidro [...] tem dois defeitos de nascença: vidro quebrado e condensação pesada". REICHERT, Martin. Op. cit., p. 56.

40
“[Sobre] [...] o objetivo de preservação máxima da substância original da construção [...]. No meio do planejamento da implantação, temos agora que encarar o fato de que podemos atender sua reivindicação com limitações". REICHERT, Martin. Op. cit., p. 55. Traduzido do Alemão.

41
“Processo de conservação / processo de conservação-restauração: processo de tomada de decisão, planejamento e implementação da conservação”. NP EN 15898, 3.3.2.

42
BANHAM, Reyner. Op. cit.

43
“Acessibilidade: possibilidade de interagir com um objeto cultural, física e/ou intelectualmente”. NP EN 15898, 3.1.11.

44
Ver accessBerlin App. The accessible app for Berlin. Visit Berlim <https://bit.ly/35zaKRy>.

45
Seguindo o “Construção de edifícios acessíveis — Princípios de projeto [Norma alemã DIN 18040], Parte 1: Acessíveis — Princípios de projeto — Parte 3: Áreas de circulação do público e espaços abertos / Indicadores táteis na superfície em áreas públicas [DIN 32984]”. Traduzido do Alemão.

46
Em caso de incêndio, as portas corta-fogo agora se fecham automaticamente; algumas portas basculantes originais tiveram que ser convertidas em portas giratórias; devido a novos compartimentos corta-fogo, algumas portas de vidro existentes tiveram que receber novo vidro de proteção contra incêndio (G30).

47
Ver seção Parâmetros climáticos gerais do interior do edifício, em especial no salão de exposições.

48
Ver BRENDLE, Betânia. Op. cit.

sobre o autor

Klaus Brendle é arquiteto e urbanista, com ênfase em estudos de Ciências Sociais (incluindo psicologia arquitetônica). Sócio do escritório de Arquitetura: k.brendle planungsbuero a&a, Lübeck e professor da Technische Hochschule Lübeck, Alemanha.

comments

261.01 especial Mies van der Rohe
abstracts
how to quote

languages

original: português

others: english

share

261

261.00 especial Mies van der Rohe

A intervenção invisível

A restauração da Neue Nationalgalerie de Mies van der Rohe em Berlim

Betânia Brendle

261.02 homenagem

O arquiteto Marcos Konder Netto (1927–2021)

Uma homenagem póstuma

Antônio Agenor Barbosa

261.03 patrimônio e conservação

À luz de John Ruskin

Um horizonte possível entre paisagens e ruínas

Mariana Guarnieri de Campos Tebet and Cláudio Silveira Amaral

261.04 arquitetura ferroviária

O edifício no documento

Histórico das oficinas ferroviárias de Jundiaí através dos seus registros

Tainá Maria Silva and Eduardo Romero de Oliveira

261.05 urbanismo

Espaços teatrais em megaempreendimentos. Impactos e polêmicas nas cidades

Parte 2

Evelyn Furquim Werneck Lima

261.06 teoria da arquitetura

O ofício do artífice da pedra e as concepções de John Ruskin sobre o trabalho na arquitetura

Eliane Baader de Lima

261.07 autogestão e habitação social

Autoempreendimento da habitação e a criação dos comuns

Fabiana Barbosa Perazolo

261.08 culturas moche e chimú

Arquitetura pré-colombiana de Chan Chan e Huaca de Moche

Melissa Ramos da Silva Oliveira

261.09 literatura e produção espacial

A hegemonia da branquitude presente na produção espacial modernista e a narrativa de Carolina Maria de Jesus

Larissa Nunes Sena Gomes

newspaper


© 2000–2022 Vitruvius
All rights reserved

The sources are always responsible for the accuracy of the information provided